fbpx

5 dicas sobre o futuro dos empregos

O ano novo se aproxima e, para quem deseja estar à frente das tendências do seu negócio, o tema do meu post de hoje vem muito a calhar. Vou dar 5 dicas sobre o futuro dos empregos, inspirado no estudo Future of Jobs Report, assinado pelo Fórum Econômico Mundial, que traçou as principais tendências do mercado de trabalho entre 2018 e 2022. Foram analisadas na pesquisa 20 diferentes economias e 12 setores da indústria. Além disso, o índice mapeou onde e como devem surgir (ou começar a desaparecer) postos de trabalho, habilidades e ferramentas.

Seu emprego está garantido? Você está se mantendo atualizado? Se você ainda não tem as respostas corretas para essas perguntas, veja abaixo 5 dicas sobre o futuro dos empregos.

EM TEMPO: lembrem-se de que o futuro já chegou!


1. Automação, robotização e digitalização
Internet móvel de alta velocidade, inteligência artificial, análise de big data e tecnologia em nuvem estão programadas para liderar a adoção de novas tecnologias entre 2018 e 2022. Muitas empresas também buscarão aprendizado de máquina e realidade aumentada e virtual para investimentos empresariais consideráveis. Em contrapartida, o investimento no tipo de tecnologias robóticas imaginadas nos filmes e na ficção popular permanecerá um pouco mais específico no período – mas, mesmo assim, está acelerando. É provável que os robôs estacionários sejam os mais adotados até 2022, mas diferentes indústrias têm casos e preferências de uso distintos.

2. Existe uma perspectiva positiva para empregos
Até 2022, as ocupações emergentes de hoje devem crescer de 16 para 27% da base de funcionários de grandes empresas em todo o mundo, enquanto as funções atualmente afetadas pela obsolescência tecnológica devem diminuir de 31 para 21%. Em termos puramente quantitativos, 75 milhões dos cargos atuais podem ser substituídos pela mudança na divisão do trabalho entre humanos, máquinas e algoritmos, enquanto 133 milhões de novos cargos podem emergir ao mesmo tempo.

As ocupações em crescimento incluem funções como analistas de dados, desenvolvedores de softwares e aplicativos e especialistas em comércio eletrônico e mídias sociais – trabalhos que são significativamente baseados e aprimorados pelo uso da tecnologia. No entanto, espera-se que também cresçam papéis de trabalho baseados em traços distintamente “humanos”, como atendimento ao cliente, profissionais de vendas e marketing, treinamento e desenvolvimento, pessoas e cultura, especialistas em desenvolvimento organizacional e gerentes de inovação.

3. A divisão do trabalho entre humanos, máquinas e algoritmos está mudando rapidamente
Os empregadores antecipam uma mudança significativa na divisão do trabalho entre humanos, máquinas e algoritmos para as tarefas de hoje. Atualmente, uma média de 71% do total de horas de trabalho nos setores abrangidos pelo relatório “O Futuro do Trabalho” é realizado por seres humanos, em comparação com 29% por máquinas ou algoritmos.

Em 2022, espera-se que esta média tenha mudado para 58% de horas-tarefa realizadas por humanos e 42% por máquinas ou algoritmos. Em termos de horas totais de trabalho, nenhuma tarefa de trabalho ainda é executada predominantemente por máquinas ou algoritmos hoje. Até 2022, 62% das tarefas de processamento de dados e pesquisa e transmissão de informações da organização serão realizadas por máquinas.

A expansão da participação das máquinas no desempenho das tarefas de trabalho será particularmente marcante nas tarefas de raciocínio e tomada de decisões, administrativas e de busca de informações. Mesmo as tarefas de trabalho realizadas predominantemente por humanos atualmente – comunicação, interação, coordenação, gerenciamento e aconselhamento -, começarão a ser realizadas por máquinas, embora em menor grau.

4. Novas tarefas no trabalho estão impulsionando a demanda por novas habilidades
Até 2022, as habilidades necessárias para realizar a maioria dos trabalhos terão mudado significativamente. A média global de “estabilidade de habilidades” – a proporção de habilidades essenciais necessárias para realizar um trabalho que permanecerá o mesmo – é estimada em cerca de 58%. Isso significa que os trabalhadores verão uma mudança média de 42% nas habilidades necessárias no local de trabalho no período que antecede 2022. As habilidades que crescem em destaque incluem o pensamento analítico e o aprendizado ativo, bem como habilidades como design de tecnologia, destacando a crescente demanda por várias formas de competência em TI.


No entanto, a proficiência em novas tecnologias é apenas uma parte da equação de habilidades de 2022. Habilidades “humanas” como criatividade, originalidade e iniciativa, pensamento crítico, persuasão e negociação também reterão ou aumentarão seu valor, assim como a atenção aos detalhes, resiliência, flexibilidade e solução complexa de problemas. A inteligência emocional, a liderança e a influência social, bem como a orientação para o serviço, também estão preparadas para ver um aumento específico na demanda em relação à importância atual.

5. Todos nós precisaremos nos tornar aprendizes por toda a vida
Em média, os funcionários precisarão de 101 dias de reciclagem e qualificação profissional até 2022. Lacunas nas qualificações emergentes – tanto entre trabalhadores individuais quanto entre os líderes seniores das empresas – podem obstruir significativamente o gerenciamento de transformação da organização.

Dependendo da indústria e da geografia, entre metade e dois terços das empresas tendem a recorrer a contratados externos, funcionários temporários e freelancers para resolver suas lacunas de habilidades. Uma abordagem abrangente ao planejamento da força de trabalho, requalificação e melhoria de qualificações será a chave para o gerenciamento positivo e proativo de tais tendências.

A Revolução Digital tem trazido uma série de dúvidas, questionamentos e dilemas sobre o futuro do trabalho. O fato é que não há como não viver esse momento! Não se trata de algo passageiro e efêmero. O mundo VUCA veio para ficar e, parafraseando o livro do Kevin Kelly, é “inevitável”.

A questão para reflexão e decisão é o quanto você está preparado e/ou se preparando para esse novo mundo. O estudo do WEF deixa, no final, duas conclusões absolutamente verdadeiras:

  • O aprendizado, a partir de agora, é constante, permanente, vitalício e… diário! O que eu sei hoje é muito provável que já estará obsoleto amanhã.
  • Das 10 habilidades requeridas para esse novo mundo, 9 são “soft” e dependem de comportamentos e atitudes humanos ainda muito pouco desenvolvidos em inteligência artificial.

O que você está fazendo a respeito? Pense nisso…



Deixe uma resposta